FAMÍLIAS ECO-SUSTENTÁVEIS

#HISTÓRIAREAL
..
Esta semana convidámos a Sara Biscaia a escrever sobre eco-sustentabilidade, do ponto de vista da sua experiência familiar. Neste artigo conhecemos a história da sua família, e a Sara dá-nos a conhecer algumas dicas sobre eco-sustentabilidade para famílias com crianças.
..

O que leva uma família a querer ser eco-sustentável?

Penso que começou mesmo por mim. Lembro-me perfeitamente de quando escolhi ir para Engenharia do Ambiente de me incomodar o facto de ver lixo em todo o lado, de as pessoas não fazerem a reciclagem e de nem sequer terem noção do impacto que o nosso consumo tem no ecossistema. Nada do que fazia naquela altura (2009) se compara ao estilo de vida que levamos hoje e o qual ainda está muito longe de ser o chamado zero desperdício. 

Em 2010, conheci pela primeira vez as fraldas reutilizáveis e soube de certeza absoluta que quando fosse mãe iria usar nos meus filhos. Posso dizer que isso foi um bom ponto de partida para uma maternidade mais ecológica com crianças. Caso não saibas, cada bebé produz, em média, 1 tonelada de lixo não biodegradável (QUERCUS, 2010). E, pegando nisto como ponto de partida, é muito normal que nos questionemos de tudo o resto a seguir às fraldas foi questionar-me sobre as compressas não-tecido, se eram ou não biodegradáveis e por aí adiante.

Então o que faço eu hoje em dia para mostrar aos meus filhos que podemos/devemos ter uma vida mais sustentável?

Se estás a pensar que sou uma daquelas mães super dedicadas às actividades de “homeschooling” que imprime uma série de materiais didácticos e pedagógicos para cada época do ano e de desenvolvimento da crianças, desengana-te! Arrisco-me a dizer que em 3 anos nunca fiz nada disso (shame on me or maybe not). Porquê? Porque embora ser mãe tenha sido sempre um sonho que queria muito realizar quando me imaginava mãe, imaginava-me grávida e não dedicada à maternidade a tempo inteiro. Aliás, já percebi claramente que sou aquela mãe que quanto mais fizer o que me apaixona e me dedicar àquilo que sinto que é a minha verdadeira vocação (ambiente, alimentação, ecologia), quando chega a hora de ser mãe e estar presente com os meus filhos, consigo ser e dar muito mais do que se for privada do meu trabalho em prol de ser mãe a tempo inteiro. Simples quanto isto! 

Esta “fragilidade” da minha parte já me é mais fácil assumir porque existe muita realidade na vida dos meus filhos… Com realidade quero dizer que temos horta em baldes – dos quais colhemos a nossa produção e cozinhamos – fazemos compostagem com minhocas (vermicompostagem). Na casa da minha mãe há muitos animais.

EXEMPLOS DA VIDA REAL

No outro dia, numa tentativa de fazer uma actividade com identificação de animais nos livros, mostrei à minha filha alguns animais: a galinha e os pintinhos. Sabes o que aconteceu? Não mostrou interesse nenhum… Disse-me antes que já tinha visto os pintainhos verdadeiros e foi me apontar para o sítio onde eles estavam. Pensei cá para comigo:

“Afinal que motivos tenho eu para tantas vezes me sentir uma mãe mais incompleta?”
Apenas porque não subscrevo uma box com atividades mensais para eles? Ou porque nunca imprimi cartões didáticos? ou porque não me dou ao trabalho de preparar atividades para o dia seguinte enquanto eles dormem?

Na realidade, não faço porque sinto que já dou tanto de mim que muitas vezes preciso de ser eu própria, pessoa singular e não mãe por definição! Preciso desse tempo para investir em mim, apostar em mim e nutrir-me.

O que faz da família da Sara uma família eco-sustentável?

Eu diria que o segredo para sermos uma família eco-sustentável está em duas coisas importantes: o exemplo e a inclusão. Primeiro, eles aprendem pelo exemplo, sem dúvida! Depois, para que as coisas fluam e para que sejam autónomos e aprendam, precisamos de incluir os nossos filhos nas nossas tarefas do dia a dia. Como por exemplo, estender a roupa connosco, ir às comprar e participarem activamente no processo, seja a cozinhar, arrumar roupa, aspirar…etc.. O segredo é tentar arranjar tarefas mais simples onde eles possam participar, por exemplo, se estiveres a fazer uma comida eles podem cortar alguns legumes com uma faca própria (nós usamos a do IKEA para crianças).

Quando ia estender a roupa a Constança (agora com 3 anos), fazia sempre questão de vir comigo e de lhe pedir para fazer também. A grande frustração dela era não chegar ao estendal. Quando fez os 3 anos, ofereci-lhe um estendal de madeira para crianças que comprei na Zara Home. Agora sempre que tenho roupa para estender ela acompanha-me, vai buscar o estendal dela abre-o e estende as peças pequeninas.

Sempre que cozinho tofu é ela que, na torre de aprendizagem, corta o tofu, os cogumelos, bróculos e ajuda desta forma. Em relação à ida às compras, acredito que esta é a actividade de eleição dela. Ela delira! Isto deve-se ao facto (acredito eu) de levarmos os nossos sacos de algodão para comprarmos os nossos legumes e frutas. Priorizamos o Auchan, para uma ida mais divertida e inclusiva, porque têm muitas opções a granel. Também temos um cartão que nos permite pegar na máquina que lê os códigos de barras e é a Constança que ajuda a colocar a fruta e os legumes nos sacos, pesar na balança, colar a etiqueta e lê com o leitor todos os códigos de barras. Na chegada a casa é ela também que pede para arrumar o que comprámos no frigorífico.

Todos estes exemplos, acredito que contribuem para no futuro termos crianças com mais noção do meio rural de como nasce e cresce a comida verdadeira (ao invés das comidas processadas que fazem parte da realidade de muitas crianças), mais autónomas e mais conscientes de como viver uma vida com menos impacto ambiental.

Alguns princípios conscientes que quero transmitir aos meus filhos:

  • Reconhecer alimentos sazonais;
  • Viver a experiência de semear e colher alimentos;
  • Saber a diferença entre reciclagem e resíduos orgânicos compostáveis;
  • Fazer vermicompostagem com os restos da nossa cozinha;
  • Viver a experiência de cozinhar e consumir alimentos da própria horta.

Não queiras ser Perfeita(o)!

Se como pai/mãe tudo o que te escrevo é novo para ti, não sintas que tens de o implementar, nem que és menos pai/mãe porque não fazes o mesmo.

Todos nós temos ou vivemos realidades diferentes. Aquilo que escrevo é apenas o meu ponto de vista e sugestões que aplicamos na nossa família e que resulta para nós. Cada família tem a sua rotina e a sua dinâmica. Podes ver vídeos sobre a nossas rotinas  e dúvidas ou algo que queiras partilhar comigo podes encontrar-me na minha conta de Instagram: Sarajbiscaia.

SOBRE A NOSSA CONVIDADA
 A Sara é Engª do Ambiente e tem vindo a trabalhar com agricultura biológica, alimentação e consequentemente uma vida mais ecológica e sustentável de forma a reduzir o nosso impacto ambiental no dia-a-dia. 

Segue-a no Instagram: @sarajbiscaia ou @ecoexperience_pt

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *